Saúde

Medicamentos homeopáticos: cuidados com a produção são fundamentais

medicamentos-homeopaticos

Baseada na administração de doses reduzidas de fármacos, a homeopatia atua tanto na prevenção como na cura de várias doenças existentes. Criada em 1755 pelo médico alemão Samuel Hahnemann, a homeopatia é uma opção terapêutica que atualmente está presente em mais de 80 países e tem como foco a saúde integral e o equilíbrio do organismo do indivíduo, através de tratamentos com medicamentos homeopáticos.

Como qualquer outro medicamento ou planta, esse tipo de tratamento não pode ser feito de forma indiscriminada e exige a orientação adequada de um profissional da saúde especializado na área, alerta a farmacêutica da rede de Farmácias Alquimia, Raigna Vasconcelos.

Os medicamentos homeopáticos precisam ser utilizados de acordo com a orientação do profissional e seguindo todo o procedimento terapêutico estabelecido. Mesmo não tendo o nível de efeitos colaterais que os medicamentos alopáticos oferecem, mas tem que ser usado com responsabilidade como qualquer medicamento.

A homeopatia foi inserida como política oficial de saúde no Brasil em 2006, por meio da Portaria nº 971 do Ministério da Saúde, que trata sobre as práticas integrativas. Uma das grandes preocupações do Conselho Federal de Farmácia e da Associação dos Farmacêuticos Homeopatas é quanto à existência de cursos não regulamentados e de pessoas não capacitadas atuando no atendimento a pacientes e, inclusive, na manipulação de medicamentos em ambientes inadequados.

Medicamentos homeopáticos“Essa é uma preocupação grande do ponto de vista profissional, mas principalmente do ponto de vista do risco sanitário. Medicamentos homeopáticos têm que ser produzidos em estabelecimento de saúde cadastrado, licenciado pela autoridade sanitária, com todo o rito técnico, todo o conhecimento técnico e cuidados necessários para garantir a qualidade, a eficácia e a segurança desses produtos.” Esclareceu Raigna Vasconcelos, que lembrou ainda que casos de irregularidades devem ser comunicados à vigilância sanitária municipal ou ao Conselho Regional de Farmácia do estado.

 


Renata Salgueiro

Elo Comunicação

Comentários

0 Comentários
Compartilhe

Karina Santos

Estudante de jornalismo