fbpx

Procurando Categorias:Saúde

hipertensao-doenca-mata-300-mil-pessoas-por-ano-no-brasil

A hipertensão, uma das doenças mais silenciosas e que mata 300 mil pessoas por ano no Brasil, deve ser tratada com um problema de saúde pública. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, 25% da população adulta convive com esse mal, chegando a mais de 50% na faixa etária acima dos 60 anos. É considerada a doença de maior prevalência na população brasileira, com crescimento da incidência em indivíduos com menos de 35 anos, sendo apontada como a principal causa de morte no Brasil.

Segundo dados do Ministério da Saúde, apenas 10%, dos quase 30 milhões de hipertensos no país, fazem o controle adequado da enfermidade, ou seja, não são monitorados ou medicados.

Por ser uma enfermidade ocasionada por múltiplos fatores, a melhor prevenção é estar atento aos hábitos alimentares, buscar uma rotina longe do estresse e realizar atividades físicas regularmente. Também é importante fazer visitas periódicas ao médico para o controle de taxas, aferição da pressão, entre outras avaliações clínicas. A hipertensão, quando não associada à predisposição familiar, também pode ter relação com a obesidade, tabagismo, sedentarismo, colesterol alto e grande consumo de sal (sódio).

De acordo com a cardiologista Flávia Pezzin, da operadora de saúde Samp, 90% dos casos de hipertensão tem origem genética. Mas o que tem chamado a atenção é o surgimento precoce da doença, que geralmente só deveria se manifestar a partir dos 50 anos. Hoje, tem aumentado a incidência em pacientes com idade inferior a 35 anos com pressão elevada. “Por ser uma enfermidade de alto risco, quanto mais tarde ocorrer o seu aparecimento, diminuem as chances de complicações cardiovasculares. Também estará livre da administração diária de medicação para o controle da doença, que é crônica, e requerer o uso de medicamento para o resto da vida”, explica a cardiologista da Samp.

A médica destaca, ainda, que indivíduos que sofrem com problemas de hipertensão estão propensos a desenvolverem doenças cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio e Acidente Vascular Cerebral (AVC). Eles também podem ser acometidos por doença renal crônica. “A principal recomendação médica é procurar ter uma vida com hábitos saudáveis, que inclui alimentação balanceada, livre do excesso de sal, gorduras ruins. E, sobretudo, fazer atividades físicas, evitando o sedentarismo e a obesidade. Mesmo para quem tem o fator hereditário, estes cuidados podem adiar o surgimento precoce da doença”.

0 Comentários
Compartilhe
1236